Seja bem vindo ao meu mundo de idas e vindas.
E que você venha e vá, mas volte sempre!

Passaram por aqui

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Para os homens orgulhosos:
"Você vai deixá-la partir assim, cara?
Não é possível! Não acredito que depois de tudo
que viveram você simplesmente vai virar as costas
e jogar nas mãos da vida.
É claro que a vida se encarrega de tudo, mas temos
que fazer, no mínimo, um esforço.
Meu amigo, e os sonhos, os planos, as promessas?
Você simplesmente vai evaporá-los?
E os filhos os quais eu seria padrinho, a casa no campo em
que vocês passariam o resto dos seus dias, a cama que
vocês dividiriam para sempre?
É meu irmão, tem tanta coisa aí no mundo para ser vista,
mas te garanto que elas seriam muito mais belas com ela.
Te garanto, meu amigo, que amores vem e vão, mas cabe a você
torná-los especiais.
A vida é cheia de surpresas... E se daqui a um mês, um ano
ou uma década for você quem estará indo atrás dela e ela
estiver pensando em outra pessoa?
Deixa disso, meu amigo! Se eu que não sei de nada, sei que ela
é o seu amor. Ninguém melhor do que você mesmo para saber disso.
Deixa disso, meu amigo, terminar em um amor não é covardia.
Covardia é deixá-lo partir, é virar as costas.
Covardia é perder o amor da sua vida por coisas que durem
uma noite ou uma semana. Ou por medo, orgulho ou indecisão.
Covardia é destruir todo que você construiu com tanto esforço
para depois dizer que a culpa de não ter dado certo é de vocês dois.
Covardia, meu amigo, é deixar sua felicidade ir embora assim,
de mãos abertas e, acima de tudo, covardia é deixar de fazê-la
feliz." (Daniel Cajueiro)

Perder alguém especial pra outra pessoa dói. Mas perdê-la para si mesmo deve ser devastador!

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012


"Depois de muito esperar, num dia como outro qualquer, decidi triunfar...
Decidi não esperar as oportunidades e sim, ir buscá-las.
Decidi ver cada problema como uma oportunidade de encontrar uma solução.
Decidi ver cada noite como um mistério a resolver.
Decidi ver cada dia como uma nova oportunidade de ser feliz.
Descobri que meu único rival não era nada mais que minhas próprias limitações e que, enfrentá-las, era a única e melhor forma de as superar.
Deixei de me importar com quem ganha ou perde.
Agora me importa simplesmente saber melhor o que fazer.
Aprendi que o difícil não é chegar lá em cima, e sim deixar de subir.
Aprendi que o melhor triunfo é poder chamar alguém de 'amigo'.
Descobri que o amor é mais que um simples estado de enamoramento: o amor é uma filosofia de vida!
Deixei de ser um reflexo dos meus escassos triunfos passados e passei a ser uma tênue luz no presente.
Aprendi que de nada serve ser luz se não iluminar o caminho dos demais.
Naquele dia, aprendi que os sonhos existem para tornar-se realidade. E desde aquele dia já não durmo para descansar... simplesmente durmo para sonhar.
E se você pode sonhar, você pode tornar seus sonhos realidade."
(Walt Disney)

Dormi com 19, acordei com 20.

Hoje é meu aniversário. Ok, foi ontem, mas eu ainda não dormi, então ainda é hoje pra mim. 
Sei lá, acho engraçada essa coisa de "como se sente mais velha?". Eu me sinto igual. Acordei como dormi ontem: com o mesmo pijama, na mesma cama, no mesmo quarto, com o mesmo cabelo bagunçado... É como se tudo mudasse ao passo que, na verdade, nada muda. Assim como na virada do ano, onde todos sentem-se renovados, criam novas esperanças e prometem novas realizações por uma data. Hoje, ao acordar, apesar de estar igual (digo: com os mesmos 1,60m dos últimos 8 anos, calçando 38 como nos últimos 7 e me sentindo uma jovem como nos últimos 2) eu senti algo diferente. 
Sair da casa dos dez trouxe um mix de reações psicológicas que, mais uma vez, formam um belíssimo caleidoscópio brilhante, que ofusca a vista de muitos, assusta alguns e encanta a outros. Me sinto nova e velha. Continuo a mesma Danielle-menina, que adora as coisas da Disney, assiste desenho e é a filhinha do papai; enquanto isso, aflora uma Danielle-mulher mais paciente, que sente que não mais lavará as coisas tão "à ferro e fogo" como costumava levar, que não relutará em assumir quem realmente é e o que realmente sente, mesmo que alguns passem a tirar certas conclusões como "ela é ingênua", "ela só reclama" ou "faço isso e ela ainda corre atrás". Existe uma ENORME diferença entre ser feita de troxa e se importar; e isso, pra mim, é nítido agora. Não de ontem pra hoje, mas de uns dias pra cá.
E DAÍ que você não concorda, que não se importa, que não liga, que não faz? Se me fizer bem, me alegrar, for da minha vontade, querido, eu farei. Porque a maior perda de tempo é ficar imaginando o que os outros estão pensando. Se der saudade, ligue; se magoar, chore; se está feliz, ria. O tempo passa rápido demais para que você aguarde o amanhã para fazer coisas que deveria ter feito ontem.

Esse final de semana foi esclarecedor demais pra mim. Aconteceram as mais diferentes coisas, desde as (muito) esperadas até as que vinham sendo evitadas, e que me fizeram MUITO bem. E seja o que tiver que ser! Eu estarei aqui, esperando e curtindo, até que eu me canse, ou mude de opinião ou, simplesmente, meu destino aconteça. O que tiver ao meu alcance será feito, o que depender dos outros é problema dos mesmos.
"E no que depender de mim, me recuso a ser infeliz..."

PARABÉNS PRA MIM :)
E que essa nova década que se inicie seja MARAVILHOSA!

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012



Tem vezes que as palavras parecem pouco, tornam-se inúteis. Mas elas parecem ser o único instrumento capaz de explicar o que sentimos e pensamos - pelo menos à distância. 
Quero o perto, quero o próximo, quero o sempre junto. O distante me dá saudade, que me dá dor, que me deixa triste. Quero o sorriso, a alegria - os seus e os que você me dá.

domingo, 22 de janeiro de 2012

Lá vem a vida nos surpreender novamente.


"E que seja doce..." (Caio Fernando Abreu)

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Acho que não preciso dizer mais nada, né? :)

Sempre achei a vida um verdadeiro espetáculo. Cheia de altos e baixos. Ora com muitos espectadores, ora com nenhum. Algumas vezes com cenas de drama, outras vezes uma verdadeira comédia. E assim, ela vai, de ato em ato, esperando por admiradores e críticos.
Uma das coisas que sempre me instigou foi o modo com quem as coisas ajeitam-se sozinhas com o tempo. O que doía, passa a ser indiferente. O que te fazia rir passa a parecer-te bobo e sem graça. O que você mal percebia passa a ser uma das coisas mais importantes pra você.
Não é raro nos depararmos com situações em que não sabemos o que fazer. Aquele momento em que ficamos sem chão, não sabemos o que falar ou fazer. A verdade é que, muitas vezes, as coisas são bem mais simples do que parecem, e a resposta está na sua frente há muito tempo.
Somos surpreendidos por pessoas que jamais esperaríamos e nos magoam. Igualmente, pessoas que nos ajudam e que também não imaginaríamos. Essa é a graça da vida. Você pode rodar todo o mundo atrás de algo que, na verdade, está dentro de você, ou ao seu lado. Pessoas que nunca saíram de perto e você mal desconfiava...
Precisamos estar abertos pra vida e pro que ela pode nos trazer. Aprendi que devo ser receptiva, e torcer para que as melhores coisas me aconteçam e que eu tenha força para superar as ruins que vierem. Isso é viver. É aprender com o que acontece, é não temer o desconhecido, nem guardar maus sentimentos.
Fico feliz de já ter aprendido tanta coisa em quase 20 anos. Que eu aprenda muitas mais todos os dias.

Namaste

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

The seasons has change

Assim como as estações, nossas vidas periodicamente passam por transformações. Algumas delas são pra melhor, outras nem tanto. Mas tudo é muito relativo. 
Por exemplo, eu adoro o verão. Então já não gosto tanto quando chega o outono. Mas ele é bom também. O clima é mais ameno, as folhas começam a cair das árvores, e, pra mim, é um tempo de reflexão pra mim. 
Depois, vem o inverno. O inverno é ótimo quando você pode ficar na cama, debaixo das cobertas quentinhas... É a estação do vinho, da comida boa, dos fondues... Ainda melhor quando você tem alguém pra ficar abraçadinha o tempo todo...
E então, chega a primavera. A minha estação favorita. Ela me lembra o renascimento. As folhas que caíram no outono começam a renascer, trazendo com elas lindas flores que me trazem esperança. O clima volta a esquentar, sutil e amigavelmente.
É preciso, portanto, aprender a ver os dois lados das mudanças. Todas sempre trazem um lado negativo, mas elas sempre são acompanhadas de algo bom. Basta que saibamos vê-lo. 
E ninguém nunca disse que mudar é fácil... lembre-se disso. 

domingo, 8 de janeiro de 2012

Bem vindo seja!

Dois mil e doze.
Dois mil e doce.
Dois mil e dose.


Seja qual for o apelido que esse ano leve, desejo apenas coisas boas. É tempo de fazer o bem. Fazer o bem em dois mil e sempre!


"As coisas vão dar certo. Vai ter amor, vai ter fé, vai ter paz – se não tiver, a gente inventa. Te quero ver feliz, te quero ver sem melancolia nenhuma.Eu me recuso a descrer absolutamente de tudo, eu faço força para manter algumas esperanças acesas, como velas.E que seja doce..."

Arquivo do blog